quarta-feira, 15 de outubro de 2008

COMO FUNCIONA O IMOBILIZADOR? PARTE I


Ha muito tempo atrás, travas de direção, correntes e cadeados deixaram de representar a segurança do motorista quanto ao seu patrimônio sobre rodas. O carro, considerado símbolo de status e conquistas pessoais, sempre despertou o interesse dos “amigos do alheio”. E apesar da velocidade com que a tecnologia desenvolve novos sistemas de segurança estamos sendo rapidamente acompanhados pelos gatunos e oportunistas de plantão.

Desde então, os Alarmes deixaram de ser meros elementos de efeito sonoro, passando a contar com sofisticados sensores de presença. Estes Sensores utilizam sistemas de ultra-som para detectar a violação do habitáculo, caracterizado como arrombamento. A carroceria passou a ser protegida pela presença de interruptores de pressão nas portas, capô do motor e tampa de mala.

Mesmo assim, os veículos continuavam vulneráveis àqueles mais ousados, que não se importam com luzes de alerta piscando e sirenes ligadas. Existia ainda a necessidade de impedir ou evitar que o veículo fosse roubado. Para a felicidade de muitos proprietários e infelicidade dos gatunos, foi desenvolvido o Imobilizador eletrônico.

Este dispositivo antifurto é codificado eletronicamente com o objetivo de habilitar ou não a partida do motor do veículo. O sistema é constituído por um Módulo de Comando ligado diretamente a Central de Injeção Eletrônica do motor. Ao girar a chave na ignição, um pequeno chip instalado na chave ( Transponder ), emite um sinal codificado, amplificado por uma antena localizada no cilindro, sendo reconhecido pelo Módulo. Neste momento, a Central de Injeção eletrônica recebe a informação confirmando o reconhecimento da chave, liberando assim a partida do motor.

Este sistema impede que na tentativa de partida direta ou utilização de uma chave desconhecida seja possível ligar o veículo. Nestas condições, o Módulo de Comando não recebe nenhum código, eliminando sua comunicação com a Central de Injeção Eletrônica, impossibilitando a partida do veículo. Por motivo de segurança, os imobilizadores possuem códigos criptografados o que impede sua cópia ou reprodução dificultando ainda mais a vida dos ladrões.

Nos próximos Posts falaremos mais sobre imobilizadores.

Alexandre

Dicas AutoServiço
  • Em caso de perda das chaves é necessário chamar um profissional especializado.
  • Caso a chave não seja reconhecida a partida do motor é inibida.
  • O imobilizador não impede que o carro seja arrombado. Essa função cabe ao alarme.
Saiba mais sobre o assunto:

5 comentários:

Anônimo disse...

gostei da sua explicaçao..te de parabens!!

Anônimo disse...

gostei da sua explicaçao..ta de parabens!!

Anônimo disse...

gostei da sua explicaçao..ta de parabens!!

carlosfanara@hotmail.com disse...

rezado Alexandre, estou com um problema com uma chave codificada que comprei para minha SW4 2007. A chave original tem o circuito eletrônico e o transponder praticamente em uma pequena placa esta funcionando perfeitamente, comprei uma capa do tipo canivete que acondiciona perfeitamente esse circuito da chave original, fiz o segredo (dentes) da chave com um chaveiro porém na hora de dar a partida no carro este as vezes pega outras não, o que pode estar acontecendo?

Unknown disse...

Bela porcaria esse sistema, por causa dele agora não se furta mais carros agora é roubo a mão armada, o roubo funciona assim:

Um motoqueiro com um garupa segue você até a sua casa, aí quando você para no momento de abrir a garagem, o garupa salta da moto, aponta uma arma para a sua cara, manda você sair do carro e leva ele com chave e tudo e o motoqueiro o acompanha na moto.

Uma belo exemplo da imbecilidade humana esse sistema.